pagar, chorar, homem, mulher

em virtude de algumas contrariedades económicas recentes, pagar as facturas habituais reveste-se de um novo dramatismo, nomeada e mormente nos míticos meses de acerto, após bastas semanas de estimativa. sucede que ontem tudo ganhou um novo sentido – ao vermos o noticiário de ontem à noite eu e a minha mulher ficámos comovidos com a capacidade empresarial da edp que se prepara para engolir um gigante da energia eólica norte-americana. a partir de agora, sempre que nos lembrarmos da fraca condição da portugalidade, que nos impõe das tarifas mais altas da europa, suspiraremos fundo e com lágrima de júbilo ao canto do olho, recordaremos que na longínqua chicago ou arredores haverá uma pá de hélice a lembrar-nos o nosso bom coração.

2 comments:

ropa said...

Bem a propósito, hoje comuniquei a leitura do meu contador à EDP, e qual o meu espanto quando do outro lado da linha dizem: não é necessário mais nada, quando quiser dar uma, é só ligar.

Mousezinger said...

Portugal vai sempre de vento em popa!