sei que o joão bonifácio me vai partir a boca toda

© rabiscos vieira

mas tenho de confessar, misto envergonhado, misto descarado, misto de chinelos – sim eu escrevo as crónicas no conforto do lar de tipologia 1 – que não gosto mesmo nada do leonard cohen. minto, não lhe ligo é patavina, facto que, nas conversas de adolescentes e de alguns adultos [eu] costuma ser mais ofensivo. "que me odeies ainda vá, agora ignorares-me é que é sacanice do caralho". pois. ainda por cima o indivíduo é canadiano, terra de gente tão marcante como........................ adiante.
a presença do leonard, perdoe-se-me a familiariedade, só me caiu no goto em duas ocasiões: a abrilhantar a estupenda banda sonora dos natural born killers, aliás, L7, camionistas do panqueroque onde andam vocês, carinhas larocas, e um par de anos depois disso foi alvo de uma memorável 'cover' pelo pior nadador de crawl dos últimos anos, jeff buckley. coisa mais sofrida só quando o meu pai se despediu por solidariedade com outro colega em plenos anos de chumbo do mário soares primeiro-ministro mas isso são outros quinhentos. ou menos, se o caso em apreço envolver o leonard cohen. que me passa efectivamente ao lado, há que dizê-lo a partir do meu teclado preconceituoso e acreditem que este teclado já conviveu com muita javardice. sucede apenas que o cohen sempre me fez lembrar bailes da saudade, gente deprimida a todo o vapor à volta dos quarentas, serões com whiskey velho e mantas cachemira. e eu, que nunca passei da imperial e do polyester gosto é de malhas a rasgar. ou de pretos com batidas gordurosas e 657 palavras por minuto. ou de um fado do camané, vá. agora aquela voz de cama a bafejar no meu pescoço, abrenúncio. mais assustador só um wc de centro comercial. I'm your man? chiça.

texto publicado no blogue colectivo sinusite crónica

2 comments:

Eric Blair said...

tale qual, mas dispensando o cámané

menina limão said...

estás perdoado, por causa do crawl e da recta final. :)